Wednesday, May 13, 2015

.:sobre criaçao e educaçao:.

Ola, pessoas! 

AVISO: post longo e cheio de imagens. um desabafo sobre o papel dos pais.

Hoje foi a reuniao individual de pais e professores na escola da pequena, entao peço permissao para falar um pouco de criaçao, ou do que experimentamos da mesma aqui em casa em casa.


Ja ouvi falar varias vezes que "criar filhos nao é facil", e concordo, mas nao é a coisa mais dificil do mundo e ainda nao vi nada que te de uma satisfaçao ou um retorno maior do que participar, mesmo que minimamente, na formaçao de uma nova pessoa. Esse foi o meu real motivo para ser professora: educar, incentivar pessoas a ser o melhor que elas podem ser. Embora nada nobre como motivo, eu nao tenho como negar que o que mais me atraia era a possibilidade de influenciar pessoas, faze-las pensar. E com a minha filha nao é diferente. 


Isso foi so para que entendam melhor o meu conceito de "criar", que nao é so educar (isso é certo e isso é errado) porque educar é muito limitado. Criar é dar poder, dar liberdade com consciencia. Se voce ja teve a possibilidade de conviver com crianças pequenas sabe a capacidade infinita que eles tem de absorver coisas, nao importa o que seja. E, mais importante ainda, eles confiam nos pais em absoluto. Se os pais dizem que ele nao consegue fazer, ele nao vai nem tentar. Se os pais dizem que é errado, ele vai aceitar mesmo sem entender. 



Mas crianças pequenas também crescem. E elas precisam de todas as ferramentas que podem ter disponiveis. Cada um passa por uma experiencia diferente com os seus filhos, eu sei como esta sendo a nossa. Esse ano foi o primeiro ano letivo oficial da pequena. E ela era realmente pequena. Aqui as crianças nascidas entre Janeiro e Março sao chamadas "crianças primavera" e podem entrar na escola um ano antes. Como nossa filha ja tinha ido a creche o ano que passamos fora e buscava a convivencia com crianças da idade dela, decidimos que o melhor caminho era antecipar o ingresso na escola. 

Voltando da escola
E embora tenha sido o melhor para nos, nos deparamos com a chegada do "nao consigo". Eu tive a chance de participar ativamente dos primeiros anos da vida da pequena. E, embora dissessem que eu era uma mae cruel, ela sempre foi desafiada a fazer o melhor que podia, eu tentava dar a ela a segurança de tentar e errar, sabendo que para conseguir fazer as coisas realmente importantes é preciso esforço, pratica e dedicaçao. Sei que algumas pessoas torciam o nariz pro truque dos brinquedos (deixar que ela se arrastasse para conseguir chegar até o brinquedo que queria), mas se ela podia fazer algo eu fazer o mesmo no lugar dela so iria atrapalhar. Eu ia ensinar que tudo que ela queria viria até ela, e a vida nao funciona desse jeito. Pode parecer exagerado, mas é a maneira como eu penso, e foi a logica que sempre usei. Quando estavamos so nos duas ela era desafiada, falhava, recebia uma dose extra de confiança da minha parte, e tentava de novo. Ate conseguir.


Com o inicio antecipado da escola entrou em jogo a comparaçao. Um ano de diferença para crianças pequenas é um abismo enorme. E, embora ela fosse esperta e ativa, ela passou a se sentir insuficiente. O que nos levou a trabalhar com as habilidades diferentes e rever o conceito de aprender. "Voce esta aprendendo, precisa praticar mais" ao inves de "Voce nao consegue fazer isso" faz milagres no modo como uma criança ve as coisas, porque ela acredita no que voce diz. Se ela nao recebe a possibilidade de errar ate acertar, ela nunca vai acreditar que consegue fazer algo novo, e vai parar de experimentar. O grande problema é: o mundo da criança é experimentar. Eles precisam se sentir livres para explorar, entender, tocar, sentir, reconhecer tudo que tem ao redor, porque é tudo novo. Eles tem infinitas possibilidades, mas precisam de segurança para se lançarem a descobertas. 


Do mesmo modo que o desencorajamento pode passar despercebido, os elogios vazios também escapam e deixam sua marca. No Brasil temos o "muito bem", aqui temos o "brava". No final o que isso quer dizer? Nada. Nao demonstram o valor que tiveram todos os passos ate que a criança fosse capaz de realizar determinada açao. Lembro de muitas vezes limpando pure de cenoura da parede, catando ervilhas do cabelo, e lavando mais roupas do que posso contar. 


E nao importava que minha filha se sujasse (ou nos sujasse, o que nao era raro) mas ela aprendeu por observaçao que se usam talheres para comer, que à mesa tem um comportamento esperado, e por mais que o spam de atençao dela nao seja muito longo (é o esperado para uma criança de tres anos) ela é razoavelmente educada durante as refeiçoes. Ela sabe que se derrubar agua ou comida ninguem vai gritar com ela, mas ela vai pedir desculpas e consertar a bagunça sozinha. Ela se sente livre de tentar, porque ninguem vai puni-la por estar aprendendo. Errar é essencial no processo. Nenhuma criança vai ser perfeita na primeira tentativa.


Criança precisa se sujar. Precisa aprender que cair faz parte, e nao é o fim do mundo. Mas também precisa aprender que temos as nossas limitaçoes. Um dos momentos de maior frustraçao pra minha filha foi quando ela descobriu que nao podia pular como a nossa gata. Ela se achou inferior, até entender melhor as limitaçoes. Nossa gata nao pode voar, mas nosso passaro pode. Ela nao pode saltar alto como a gata, mas pode falar e construir coisas com as maos. A partir desse dia ela passou a ler historias para a gata na esperança que um dia ela aprenda a falar (rs) enquanto deixou de comparar os proprios saltos com os da gata, mas tentando se superar a cada novo salto. Ela entendeu a seu modo, e vai reformular a ideia quando precisar depois. 


Crianças sao curiosas, brincam de travestimento para levar o mundo numa dimensao mais palpavel, numa escala que eles conseguem compreender. Como pais é complicado fazer essa conversao ao inves de fugir de perguntas curiosas. Por exemplo: "ele esta preso porque é malvado?" sim, se voce assiste ao telejornal com teu filho perto perguntas vao surgir e evita-las so vai criar insegurança. O que eu tento fazer é levar para a dimensao dela de modo que ela possa entender um pouco e rever o conceito do jeito dela quando crescer mais. minha resposta? 

"O que acontece quando voce faz algo errado?"
"Vou pra cadeirinha do pensamento."
"Por que?"
"Para me acalmar e pensar no que eu fiz."
"O mesmo acontece com ele. Ele errou. precisa pensar no que fez, se acalmar, aprender com o erro e consertar da melhor maneira que pode quando sair da prisao."


Nem todos concordam com essa visao, mas eu acredito que erros acontecem. que se pode aprender com os erros. E nao quero que milha filha cresça com a ideia de que as coisas sao tao simples quanto certo e errado, bom ou mau. Ela foi apresentada ao conceito de pessoas diferentes, que vem repetido em toda oportunidade que tenho. Sao conceitos meus. Mas sao coisas que quero que ela leve em consideraçao, mantendo a mente aberta. Criar filhos nao é facil. Principalmente porque voce é o mediador, voce decide sob qual otica o teu filho vai encarar o mundo. E moldar a base de um ser é um trabalho longo, incerto, e cheio de responsabilidade.  


 Eu tento educar minha filha com valores que sao importantes para mim. Acredito que ela mereça uma explicaçao para cada "por que" que ela diz, pois crianças entendem, do modo deles mas entendem. é assim que ela vai formar a sua base para conhecer o mundo. Saimos de casa meia hora antes do que precisamos sair, para ela ter o tempo de explorar, de ver, de perceber o mundo ao redor. Ela ve as arvores mudando de folhas, e ao perguntar o porque ela acolhe a ideia de que as coisas mudam, se renovam sempre para ficar mais fortes. Ela ve um passaro morto e ouve que a vida é preciosa e passa mais rapido do que se imagina, e que a morte faz parte para dar lugar a novas pessoas e novas experiencias.


 O que ela vai levar disso tudo eu nao tenho ideia. Mas a vejo crescer feliz, curiosa, audaciosa, gentil e doce. Ao inves de brigar com os amigos por causa de jogos ela propoem turnos para brincar com determinados brinquedos. Ela nao tem medo de demonstrar afeto, e se responsabiliza por seus erros sem fazer drama. Ela experimenta coisas novas, mesmo se tem medo. O que me leva a pensar que demos sorte em ter uma filha assim, mas que o tempo que aproveitamos junto a ela nao foi desperdiçado, devemos ter feito algo de certo.



De repente o que faz a diferença nao é brigar com o filho por errar, mas criar oportunidades para que ele aprenda com os erros, e estar realmente presente quando estiver em sua companhia. Os pais podem dizer o quanto quiserem o que o filho deve fazer ou nao, mas ele provavelmente vai agir como voce age. Entre erros e acertos aprendemos juntos, e crescemos juntos. 


é essa a magia de criar um filho, voce recebe a chance de se redescobrir e melhorar.



Thursday, March 12, 2015

.:moody:.

because it never gets old...
this is so today...