Saturday, November 14, 2015

.:waiting for a hero:.

Tudo o que havia a ser dito sobre terrorismo ja foi. Todas as criticas, revolta, minimizaçao, comparativismos, tudo.

me atenho a falar sobre paris, sobre a frança. sobre a paris que conheci em viagem. sobre a frança que invade os noticiarios europeus com sua liberdade de pensamento, com sua filosofia de vida, sua unidade na luta pelo direito e respeito às pessoas.

pode-se dizer que tenho uma visao utopica da frança? sim. mas tenho uma visao utopica de tudo em doses variadas, valorizo o que tem de forte, o que tem de admiravel, e na frança muitas coisas sao louvaveis.

a frança que para um pais inteiro quando UMA classe de trabalhadores esta sendo desrespeitada. a frança que abrange diversidade cultural, mas que mantem seu orgulho nacional. a patria que quando atacada se ergue com portas abertas, colaboraçao e se demonstra forte e unida mesmo estando visivilmente abalada. como nao admirar cidadaos que usam as redes sociais para criar um grupo de apoio às vitimas e dispersos em menos de uma hora depois da tragedia se abater sobre eles? porque ao inves de chorar, e se lamentar, e culpar o governo por sua inercia quanto ao controle para impedir ataques terroristas, eles se mobilizaram. ofereceram abrigo em suas casas a quem pedisse proteçao. ofereceram transporte para dispersos ate o seu local seguro, o seu lar. demonstraram que nao seriam abatidos cantando o hino à voz alta enquanto evacuavam o estadio.

uma patria que pensa. que sabe que nada é tao simples quanto certo ou errado. que sabe que para fazer valer o que se acredita é preciso antes realmente saber o que defende, pelo que se luta. nao importa culpabilizar ataques ou nao, importa agir, mudar o que pode ser mudado.

por que todos ajudam paris e ninguem ajuda mariana? paris se ajuda. a frança se mantem. os governantes respondem ao que o povo exige deles. e a merito suo, os franceses sabem como se impor. nao aguardam. cobram o que eles mesmos fazem. antes de dizer que todos sao paris e ninguem é mariana, o que voce fez quando soube do rompimento das represas? o que eu fiz? olhamos. e nos indignamos. e esperamos que a situaçao piorasse, querendo que uma força maior cuidasse de problemas que sao de todos. tao deles quanto meus ou teus. nao existe força maior para ajudar quem nao se propoe a se ajudar. nada vai mudar a menos que eu mude, e voce.

o que voce fez hoje?


https://twitter.com/jean_jullien

Monday, October 19, 2015

.:back to the begining:.

Esse poema ficava no meu quadro de cortiça desde que eu tinha onze anos. Um dos primeiros a me dizer algo,  talvez pelo meu nome, talvez pelo signo, ou ainda pela incapacidade de permanecer demasiadamente no mesmo lugar.
Fato é que ele torna,  falando de almas e borboletas, e eu dôo, anseio pelas migalhas de vida quotidiana que alimentam a alma. sinto o vazio deixado pelos quadros do palácio, o som das ondas na pedra, as cores do colibri e o canto do bem - te - vi,  o eco dos passos caminhando verso a plenitude.
E quando não se pode alimentar a alma, não seria mais justo que ela pudesse ser livre?


Há certas almas
como as borboletas,
cuja fragilidade de asas
não resiste ao mais leve contato,
que deixam ficar pedaços
pelos dedos que as tocam.
Em seu vôo de ideal,
deslumbram olhos,
atraem as vistas:
perseguem-nas,
alcançam-nas,
detem-nas,
mas, quase sempre,
por saciedade
ou piedade,
libertam-nas outra vez.
Elas, porém, não voam como dantes,
ficam vazias de si mesmas,
cheias de desalento...
Almas e borboletas,
não fosse a tentação das cousas rasas;
- o amor de néctar,
- o néctar do amor,
e pairaríamos nos cimos
seduzindo do alto,
admirando de longe!...

Gilka Machado

Monday, September 28, 2015

.:carta à minha filha:.

Dificil pensar em todos os percursos, todas as coisas que podem acontecer na vida de alguém. Dificil nao, impossivel. Tanto que nao sei o que voce devera aprender na sua caminhada, assim conselhos se tornam inuteis. O que eu deveria aprender no meu caminho nao sao as coisas que voce tera que enfrentar. Mas algo tenho a dizer, e para mim, se voce esquecer todo o resto e lembrar dessa minima frase, estarei tranquila, assim vou saber que o que vier voce podera olhar de frente e trilhar sua estrada.

"Mude, mas mude por voce, mude se precisar para que ame sempre quem voce é."

Simples. As mudanças sao necessarias, mas elas vem da tua necessidade. Voce muda para se tornar alguem de quem possa se orgulhar, voce muda para se amar mais, voce muda para ser feliz. No final das contas a unica coisa que voce sempre vai ter é si mesma. Cuide desse presente, do seu eu, é precioso e unico. Ninguem alem de voce vai saber como é e quanto vale. Apenas voce conhecera o teu percurso, e podera saber o que te faz feliz.

E que grande erro quando se muda para se encaixar. Nao se engane, voce nao precisa preencher moldes sociais, voce nao tem um papel definido. Voce é o que quiser ser, voce é alguem que deve ser mais importante que todo o resto para voce. Preserve a tua essencia. é facil se deixar levar por obrigaçoes, mudar para exercer papeis que a sociedade espera de ti. O risco é se perder nessas mudanças, fazer com que nao reste muito do que voce reconhece como si mesma. A dor de se descobrir presa num emaranhado de laços, enclausurada na vida de outra pessoa que nao se parece nada com voce. Dividir o corpo com uma mulher que voce olha com desdem ao inves de admiraçao. Voce pode ser o que quiser, desde que antes de tudo ame quem voce é, e onde voce esta.

Torne-se a pessoa em quem voce pode confiar, e cuide de si mesma. Se ame! mais que a qualquer outra pessoa, ame a si mesma. Nao mude por amor, nao tente moldar a si mesma para se adaptar. Voce é voce. E assim deve ser. Voce pode mudar por amor, enquanto voce se reconhecer e gostar do que voce se tornar. Ah, mas perder de vista o que te faz feliz é uma cilada que chega desanunciada, sorrateira. O amor dura enquanto voce se ama. Sem dar atençao a essa simples verdade voce vai descobrir que sem amar voce, nao vai sobrar amor para ninguem, nao importa o quao importante essa pessoa seja. Nao se perca de vista, nao se anule, seja quem voce quer ser e ame quem voce é. No final é isso que importa, assim voce nao vai precisar se perguntar um dia: "Onde foi parar todo aquele amor?"

Tuesday, September 01, 2015

.:sobre educaçao e genero:.

Daqui a duas semanas iniciam as aulas do ano letivo de 2015/2016 por aqui, e uma lei que implementa a ideologia gender nas escolas esta causando um grande rebuliço entre os pais provincianos da regiao. O motivo? Talvez falta de informaçao, talvez preconceito e xenofobia, talvez so medo de questionar a propria formaçao e aceitar um mundo em transformaçao.

A tal lei se baseia na convençao de istanbul (sintam-se livres de ler a mesma na integra na lingua que preferir) que tutela vitimas de violencia por discriminaçao de genero, e preve quando necessario medidas de conscientizaçao dos cidadaos durante a formaçao escolar, incluindo jardim de infancia. A lei moveu duas facçoes contrarias e por motivos diversos, porem similares, ambos baseados em falta de informaçao. Eis parte do artigo que esta gerando tanta polemica:

"Artigo 14o – Educação
1 As Partes desenvolverão, se for caso disso, as acções necessárias para incluir nos currículos escolares oficiais, a todos os níveis de ensino, material de ensino sobre tópicos tais como a igualdade entre as mulheres e os homens, os papéis não estereotipados dos géneros, o respeito mútuo, a resolução não violenta dos conflitos nas relações interpessoais, a violência contra as mulheres baseada no género e o direito à integridade pessoal, adaptado à fase de desenvolvimento dos alunos."

O que esta causando grande debate aqui entre as pessoas menos informadas (vamos nos referir às mesmas como portas, ok?) é a interpretaçao errada de que querem inserir educaçao sexual nas escolas a partir do primeiro ano de jardim de infancia; e fazer o mesmo encorajando a descoberta e estimulaçao do proprio corpo incluindo hipoteticas aulas de masturbaçao e praticas sexuais diversas. Pois é, viagem, falta de informaçao e afins. Tal visao gerou varias manifestaçoes, discursos de odio, distribuiçao de panfletos que me deixavam em cima do muro sem saber se rir do absurdo ou chorar com a ignorancia que circundava minha filha.

Ignorando a manisfestaçao das portas vamos seguir para o outro grupo contrario a implementaçao da ideologia gender. Esse segundo grupo cre que tal abordagem visa eliminar toda e qualquer diferença entre os generos e incentivar as crianças a tornarem-se homosexuais ao serem expostas à ideia de  "papeis nao estereotipados de genero". Esse é um ponto que mesmo as mentes mais esclarecidas por aqui tem dificuldade de aceitar e gestir, e algo que durante a implementaçao nas escolas pode causar danos dependendo dos responsaveis pela mesma e de como eles veem a questao de generos, direitos e papel social. Alguem que é fortemente contrario à ideia de igualdade de generos pode reforçar tal diferença ao inves de encorajar uma visao menos influenciada por heranças socio- culturais que se tornam cada vez mais obsoletas.

Cada uma dessas visoes mereceria um post individual para detalhar todos os pormenores da influencia desses aspectos na educaçao de uma criança e o panico crescente de nao conseguir sobrepor as ideias geradas pela comunidade circunstante. Porem, nao acho que nada disso va afetar em modo real a dinamica da escola onde minha filha esta inserida, ja que vejo tal lei como uma forma de reaçao ao grande fluxo migratorio que temos aqui.

*a partir daqui é a minha opiniao pessoal. meu blog, me reservo o direito de falar como eu penso, lamento se nao é como voce pensa, mas hei, viva às diferenças!*

Na cidade onde eu vivo, e assim como em boa parte das cidades italianas, a maior parte dos imigrantes que se instalaram sao muçulmanos. Eles sairam do proprio pais (boa parte aqui veio do marrocos) por diversos motivos, grande parte por necessidade mais do que por vontade. Abriram mao da casa deles, mas nao da cultura. Nao ofendem as tradiçoes alheias, mas mantem as suas crenças e praticas religiosas. As mulheres usam o veu, e se orgulham disso. A populaçao daqui nao aceita/entende os motivos delas, e nem precisam. A maior parte se revolta com as vestimentas de escolha das mulheres muçulmanas; as tomam por tentativa de dominaçao masculina, como desvalorizaçao da mulher. Eu seria de acordo se fosse uma coisa imposta, mas as mulheres com quem conversei aqui utilizam os trajes como escolha propria. Elas demonstram respeito pelas suas tradiçoes atraves do modo delas de vestir, mesmo estando em um pais cuja religiao oficial nao exige tal decoro quanto a ornamentos.

E so para lembrar, a Italia é um pais predominantemente catolico. A religiao esta tao intrinseca na educaçao que a maior parte das Escolas ou sao gestidas pela paroquia do bairro, ou funcionam em locais cedidos pela Igreja, devendo seguir regras, calendarios e curriculos especificados pela mesma. Um exemplo disso: no ano do inserimento (crianças de 2 anos) o curriculo incluìa aprender sobre a criaçao do mundo. A rotina englobava prece para brincar, prece para comer (tres refeiçoes na escola) e prece para dormir. Voce diria, "ok, educaçao crista. se voce nao concorda, matricule o filho em outra instituiçao." Mas esse é o ensino publico do pais. Em localidades mais ao norte, sao o unico tipo de educaçao oferecido. entao a escolha se resumiria em matricular o filho nesse ambiente escolar ou retirar a criança do convivio social e lidar com a educaçao e formaçao dele em casa.

Do modo que eu vejo, a convençao visa aplainar o terreno, suprimindo diferenças culturais baseadas em genero mesmo quando tais diferenças sao uma opçao. A ideia louvavel de tutelar as mulheres de discriminaçao devido ao genero e papel social estereotipado me parece uma excelente cobertura para eliminar as tradicoes culturais dos imigrados, fazendo sim, com que eles se adequem à Uniao europeia ou deixem o territorio da mesma. Mas, como disse antes, assim é como eu vejo, e essa vertente nao foi nem minimamente discutida quando se falou da tal "ideologia gender". Talvez eu que veja coisas onde nada existe, uma bela mascara para encobrir a triste realidade de que as pessoas sao diferentes, o mundo como voce ve nao é o mesmo que o do teu vizinho, e aceitar isso é essencial. De repente, igualdade de genero das escolas é so uma forma de dizer que voce pode discriminar as mulheres, mas do jeito europeu.

de qualquer forma, nao acho que tal discurso va afetar a educaçao das crianças em modo drastico (se afetar em algum modo), tanto menos corromper as mentes jovens criando uma cultura de sexualizaçao precoce como tantos pais temem. por enquanto eu aguardo a reuniao de inicio do ano, e finjo que nenhum desses pontos me afeta, porque dar peso demais à compreensao alheia nao vai fazer nada alem de me afundar na areia. Entao, nao vou me preocupar com uma lei que nao vai mudar a vida da minha filha, vou esperar ansiosamente o inicio do ano letivo com todas as descobertas e momentos que ele vai trazer para ela; e vou continuar a educar minha filha, do meu modo, com a mente dela.

Sunday, August 16, 2015

.:holidays:.

Você sabe que precisa de férias das férias quando prepara a escova de dentes da tua filha para você e só percebe o erro ao sentir o gosto do creme dental.

Post a ser editado assim que voltar das férias. ^^

Thursday, August 13, 2015

.:sobre a arte de ser nós mesmos:.

"A pior agressão que você pode fazer a si mesmo é deixar que a atitude dos outros determinem as tuas "


Essa era uma das máximas da minha mãe. Uma que acredito ser ao mesmo tempo simples de aceitar e complicada de seguir.O que pode ser mais simples do que ser você mesmo?  Seguir seu temperamento, seus impulsos, suas crenças?  Basta ser. Simples assim. Sem disputas, sem hesitação, sem drama.


A parte difícil é exatamente não ser influenciado pelo juízo alheio, não querer ceder à pura retaliação no melhor estilo : ela puxou o meu cabelo, então eu puxo o dela. Sim, essa é a melhor lógica estilo jardim de infância. E seria muito fácil se desviar para esse curso de ações que seguir a máxima com a qual abri o post.


Mas,  a raiva e frustração vão passar, e no fim do dia o que resta de imutável é você. Como você vai se sentir ao rever suas ações? Não tem como escapar da tua essência, seja ela qual for. De recente nem você sabe qual é. A melhor coisa que posso fazer por enquanto é tentar descobri -la. A partir de então, tudo deveria parecer mais natural, fazer mais sentido. Ou não.

Saturday, August 08, 2015

.:food talk:.

Comida pra mim é assunto serio, e café. Nessa ordem. e doces nao sao comida, sao porcaria. caso estejam se perguntando, chocolate NAO entra na classificaçao geral de doces. E nutella (ewwww) nao é chocolate.

Round 1
Hoje foi dia de me afogar em porcarias: vide MC Donalds (o mais proximo fica a 30 min de estrada) e pizza. A pulga ainda esta aprendendo, e ela consegue apreciar poucas coisas no mc donalds e no burger king; leia-se batatas (e sim, ela come batata com sorvete, orgulho!), sorvete e agua. hoje ela almoçou antes de sairmos, e no sumo templo das porcarias, ela comeu as minhas batatas. Enquanto esperava pacientemente (com toda a paciencia que uma criança de tres anos tem a oferecer) que eu terminasse de comer para brincar nos carrinhos ela nao desistia de tentar me convencer a ir aos carrinhos ANTES do café.

Eu sei, pobre criança inocente. hora de uma das liçoes mais importantes da vida adulta. depois da milionesima vez que ela me pediu para primeiro ir nos carrinhos e so entao beber o café eu concordei. para logo depois deixar a cabeça pender no ombro dela com olhos fechados e roncando rumorosamente (mereço o oscar, nao?). Ela riu e me sacudiu, quando levantei a cabeça expliquei:
Eu: viu? isso é o que vai acontecer se eu te levar ate os carrinhos antes de tomar o meu café.
Ela: por que?
Eu: porque as crianças tem muito mais energia que os adultos.
Ela: e o que é o café?
Eu: (incrédula! como assim, o que é o café?!? café é vida!) o café é um liquido sagrado. é a bebida magica que faz com que os adultos recarreguem as energias.
Ela: ok, pode beber o café.
Eu: ^^ (good girl)

Round 2
Fizemos tudo que deveria ser feito, e entao chega a hora da janta. Pizza pra mim, mas claramente nao posso oferecer uma porcaria dessas para o meu minion em desenvolvimento. Que sejam ovos.
Eu: Pulga, te preparo ovos. Posso colocar bacon?
Ela: por que bacon?
Eu: (de novo?!? essa criança precisa de um intensivo...) porque tudo fica melhor com bacon, meu amor. impossivel voce comer algo que nao fique bom com bacon.
Ela: é?
Eu: claro que sim!
Ela: posso ver?
Eu: aqui. (abrindo o potinho de cubos de bacon defumado)
Ela: tem um cheiro bom.
Eu: isso  ai. =)

E assim demos inicio à educaçao alimentar da pequena.

Thursday, July 30, 2015

.:winds of change:.

começaram a surgir os girassois. de modo sorrateiro, doce mas incisivo eles vem lembrar que os ventos estao mudando. o ar começa a ser pungente à noite, principalmente depois de um temporal. a vegetaçao começa a perder o viço trazido pela primavera e demonstra no seu amarelar e secar progressivo que precisa de tempo, precisa de descanso, precisa se reconstruir. e assim todos nos.

"life doesn't come in small doses" - eu deveria fazer uma camiseta com essa escrita. nao, o mundo nao para porque voce tem que se reavaliar. nao, os compromissos e responsabilidades nao esperam até que voce se sinta realmente pronto. nao, a vida nao vai aguardar um momento tranquilo para te dar a oportunidade de crescer. ela nao vem em doses homeopaticas, ela nao se faz gentil. ela te sacode, te joga no meio da tempestade com o teu barquinho. voce consegue ser multitarefas? que bom! nao consegue? que pena, o mar nao se vai se acalmar nem pra voce. ou se encara a tempestade, e acolhe o que os elementos tem a te acrescentar - saindo diferente da experiencia, talvez um pouco machucado, mais prudente, com certeza mais sabio -  ou voce corre pra se resguardar na cabine ou na estiva, se protege, se esconde.

Voce sempre pode se esconder, as tempestades nao duram para sempre, mas no que isso ajuda? voce nunca descobriria do que seria capaz, nunca alcançaria o teu potencial. sem crescer, sem adquirir experiencia, a unica coisa na qual voce se tornaria especialista seria em como fugir de tempestades. mas onde estaria o desafio? onde estaria a satisfaçao de navegar em meio ao temporal, ainda que queira dizer fechar as velas, esperar, sem lutar contra o mar, mas aprendendo com ele. algumas vezes nao tem muito o que possa ser feito em uma tempestade, mas nao é produtivo fingir que ela nao esta ali.

quando ela passar voce vai ter que avaliar os danos e reconstruir. mais facil ter observado como ela agia, ser mais eficiente na sua movimentaçao, poder se adaptar para enfrentar melhor a proxima, sabendo do que voce é capaz e o que pode fazer a mais quando o desafio seguinte surgir. e navegar, sempre mais longe, até perder de vista o que tinha de seguro e perceber que talvez voce se sinta melhor do outro lado. nos resta nos aventurar, e com sorte, conhecer com quem esta iniciando a viagem e chegar a um acordo de partes ao final dela.

que venham os ventos! que o outono traga mudanças e as folhas velhas caiam por terra. que as raizes se tornem mais fortes e que se possa crescer. as folhas mudam, assim é. que possamos preservar o nosso centro, saber qual ele é, e deixar que as mudanças a todo o resto aconteçam.

foto antiga, ha muitas vidas atras.

Monday, July 27, 2015

.:e se:.

O contínuo planejar, e tentar prever, projetar, se preparar, adaptar, analisar, e recomeçar numa dança infinita de ações e consequências e reações que buscam o amanhã; que se mantêm incansáveis em busca de um futuro que pode nunca chegar.

Mas, e se tentássemos só uma vez parar de colocar tudo no microscópio?  E se abandonassemos arrependimentos e expectativas só por um momento. E se estivéssemos , ainda que por pouco, imersos naquele mísero minuto. Presentes no agora. Só por uma vez.

E se a liberdade de tudo que nos detêm, nos permitisse aproveitar e realmente viver a realidade sem sombras nem sonhos. Sem os fantasmas do que foi ou os germes do que esperamos que seja.

E se naquele segundo,  ínfimo, volátil e efêmero, apenas vivêssemos?


Wednesday, July 22, 2015

.:aquele sobre as neuras:.

*fotos gratuitas nao conectadas em algum modo ao post.

talvez todos tenhamos uma neura (ou varias em alguns casos), principalmente quando se trata de segurança. Tem gente que tem neura de pega-ladrao, outros de rede para gatos, mais alguns de produtos de limpeza e tomadas ao alcance de crianças. A maioria das minhas neuras sao aparentemente justificadas, mas uma que me criticam sempre é o meu modo de transitar com veiculos de rodas.

eu sei as leis do transito. sei que se o sinal esta verde posso passar sem problemas, sei que posso abrir a porta do carro se està do lado da calçada sem risco de pegar um ciclista, sei que se estou numa rua principal a precedencia é minha e nao tenho que me preocupar em cruzamentos. eu sei disso tudo, mas nao confio. por que nao? porque o mundo esta cheio de idiotas. EU sei disso tudo, mas de repente o average joe la da esquina nao sabe, e vai causar danos.

toda vez que eu estou dirigindo com a familia no carro ouço a mesma frase do motorista oficial se repetindo: "voce sabe que tem a preferencia, que nao precisa reduzir, nao sabe?". depois de um tempo dizendo "eu sei, mas minha filha esta no carro, nao custa redobrar os cuidados, meus reflexos nao sao tao bons, blah blah blah" passei a so sorrir e acenar com a cabeça.

sigo o mesmo conceito andando de bicicleta. a diferença é que sozinha eu sigo as regras e paciencia, com a pequena na cadeira a atençao é dobrada porque se cairmos ela se machuca, e muito. e sim, tenho plena consciencia que me envolvo nos acidentes de bicicleta/mobilete mais ridiculos do mundo: ir contra um jardim para nao atropelar uma lagartixa? check. Bater numa arvore porque um sapo cruzou a estrada na minha frente? check. me arrastar no muro de uma casa por causa de uma ultrapassagem mal calculada? check. mas com a pulga na garupa essas coisas nao acontecem.

quem me ve passar sozinha e com ela atras pensa que sao duas pessoas completamente diferentes pelo modo de transitar. sozinha estou sempre correndo. SEMPRE. nao importa se tenho tempo. é mais divertido. se ela esta atras vou devagar, conversando e cantando para ela me responder e eu ter certeza de que ela està bem. Normalmente vamos à escola por um caminho que nao é a ciclovia. isso porque acho mais seguro, maior visibilidade nos cruzamentos e a responsabilidade de parar no "stop" é nossa, e nao de um outro alguem. a desvantagem é que nao tem sombra.

Hoje eu precisava de sombra, logo, mudamos caminho e fomos pela ciclovia. diz a lei que se estou na ciclovia, na rua principal, quem deve desembocar na via onde estou deve parar no cruzamento e olhar antes de entrar na mesma. Agora, todos sabemos que nao existem so carros na rua, e que uma ciclovia permite que as bicicletas passem nos dois sentidos mesmo em ruas de mao unica. todos sabemos, mas a iguana inconsequente que cruzou nosso caminho hoje nao usou o que sabia. esse ser desprovido de senso imaginou que pela principal ser uma rua de mao unica ele nao precisava se preocupar em olhar pros dois lados. ele pensou que se viesse olhando pra origem do trafego de longe ele nao precisaria reduzir nem mesmo parar antes de entrar na principal porque todos sabem que reduzir e parar quando voce esta de moto é pouco pratico. esse genio dos motores teria nos acertado em cheio se nao fosse a minha neura de reduzir e olhar mesmo estando na principal. eu freiei. minha filha se assutou, porque mesmo prestando atençao e indo devagar ela sentiu a parada. o genio dos motores responsavel por essa direçao exemplar percebeu a besteira que estava fazendo quando ja tinha passado da faixa da ciclovia e estava com a roda da frente na rua propriamente dita. quando ele nos viu, se assustou, freiou e quase caiu. QUASE. pena. mesmo.

e embora a pessoa tenha mantido a compostura para nao assustar ainda mais a filha, que se sentiu ofendida como quando voce passa num buraco rapido demais, o sangue ficou fervendo. e ficou a vontade de dar aquela cabeça vazia em pasto a vespas no melhor estilo hannibal. e isso é tudo. amanha, mesmo que chegue o segundo sol, voltaremos ao percurso habitual, porque nao posso esperar ter sempre sorte, e porque idiotas existem e transitam livremente pelas ruas.

alguma neura tua ja foi justificada? 

Tuesday, July 21, 2015

.:dandelions:.

"kids will blow dandelion fuzz"
because who doesn't love olaf? And summer? And dandelions? Anyway, post in portuguese.



Aqui estamos caminhando velozmente em direção ao fim do verão, e os dentes de leão estão em todo lugar. A pulga tem uma fascinação por essas plantas, então temos rotas proibidas na ida à escola, leia-se com mais de 100 dentes de leão todos no mesmo lugar que nos impossibilitariam de chegar ao destino antes do fim da colonia de ferias. ^^

Deixando de lado a praticidade que a vida adulta nos traz, devo admitir que eles sao realmente fascinantes. Nao so na forma de penugem leve que anuncia a necessidade de largar as amarras para tras, de libertar-se, de manter apenas o que è essencial e deixar que o outono carregue a bagagem extra, preparando o terreno para novos caminhos, para novos graos, vida que vira na primavera. Não, não è só esse alerta, esse chamado urgente. È todo o processo, e para quem gosta de simbolismos e analogias não poderia ter algo que despertasse mais vontade de observação e meditação.

Voces conhecem o processo do crescimento e transformação do dente de leão? Não? Bem, eu explico... (Como se isso não fosse esperado). Nos montes daqui o inverno torna a paisagem arida, a grama rasteira e fosca, poucas coisas se destacam em meio à desolação do inverno, ao menos até que surjam as primeiras flores, aquelas com os bulbos, que resistem às temperaturas escondidas dentro das "batatas" e sentem a mudança -a luz- chegar antes de todos. Em meio ao perfume das flores de primavera, aparecem essas plantas, com folhas disformes, odor forte e pungente, raizes resistentes e longas, e uma ramagem ampla, que esconde uma boa porção da grama em torno a ela impedindo que o sol chegue até a mesma para fazer com que a mesma torne fresca e verde. Essa planta nada atraente é inimiga dos jardineiros, porque deixam circulos estereis de grama marrom e seca onde antes estavam. Porque suas raizes são longas e sedentas, e tiram o sustento de flores mais delicadas que possam estar proximas a ela. Essas folhas, servem so para serem comidas, e por pessoas com um paladar que aceita bem o amargor, e sabe apreciar os sabores fortes, porque ele é como suas raizes. Resistente a intemperies, feito para durar e nao para agradar, deve manter a si mesmo e se as plantas ao redor são fortes o suficiente para coexistir, que sejam bem vindas, mas não esperem que essa planta, essa erva daninha se adapte às necessidades alheias. Não, ela não foi feita para deleite e aprovação das massas.

Com o tempo, essas folhas ganham uma haste, para os famintos de seu gosto forte isso é o sinal de que chegaram tarde demais, uma vez que a flor se está preparando para brotar o "espinafre dos bosques" não è mais adapto ao consumo, sua natureza hostil e individualista esta começando a mutar. E la resta - se sobreviveu até agora- essa erva daninha, que não tem mais nenhuma ultilidade, nem servir de sustento. Sua flor lembra espinhos, cresce alta e imponente, mas convida a manter distância com seu aspecto rustico. Em meio aos outros especimes de petalas suaves e perfumes doces e convidativos o dente de leao nesse estagio não é um "gran chè", dificil que alguem olhe duas vezes para esse especime, ou queira esperar, aguardar pacientemente para ver o que reserva o futura dessa planta tao estranha. O modo mais rapido de se livrar dessa falha no gramado é com um cortador de grama, já que a haste que o sustenta é mais alta que a das margaridas ao redor.

Depois de todo esse trajeto, a flor, aquela que nao foi cortada, amarela como o sol do verão que se aproxima, se fecha, reclusa em si mesma, e seca. Seria fácil pensar que acabou. Que sua jornada se conclui com esse fim triste e desolado, com a introspecção solitaria no limiar da estação que fara amadurecer os frutos, trazendo o doce com seu calor e luz. Mas não... Ela tem a raiz forte. Só precisa do seu tempo, para se tornar tudo que pode ser, para se livrar do que a impede de se oferecer ao sol com a leveza de quem traçou seu caminho, de quem cresceu, lutou e se transformou.

Essa erva daninha ressurge no auge do verão, com a sua fluidez, feita da matéria intangível da qual são feitos os sonhos. Sua penugem se mantém forte contra o vento enquanto sustentada das raizes que a fazem lembrar do que é, do que foi. Até que mãos pequenas e curiosas a separam do solo, e a nuvem de petalas que antes se agarrava ao que tinha de certo, de seguro, se deixa ir. Livre, com a brisa que passa, com o sopro de labios ansiosos em verem o voo dessa flor que não é flor, desse pedaço de nuvem que nunca atinge a terra e parece flutuar cada vez mais alto levado pelo vento. Essa maravilha efemera, que parece fragil e inconsequente finalmente segue, e voa.



*ignorem a musica do video. foi o melhor que encontrei.*

Thursday, July 16, 2015

.:thunder and lightning:.

When will you get it?
When will you understand that it is not about the ring, but about the gesture behind the asking?
when will it down on you that it is not about sacrificing who you are, but embracing who both people can be?
when will you get that it is not about bringing flowers, but it is about making whatever it is you are bringing matters, because the person you are giving it to matters. It is about caring to know each other, to know each other so well that you can feel it without much thought and just know what will bring a smile to their faces, or what is off limits. It is not about laying down gifts, it is about investing what is the most precious thing you have: time; and enjoying it together.
when will you see that life is not perfect, that you will waste it if you just keep waiting for perfection to happen and frowning upon what is real.

It is not about expecting there won't be any storms, but knowing they will end eventually and facing them. And while they last, why not roar back to the thunder, or dance to its rhythm, hand in hand?

Monday, July 13, 2015

.:um pouco de normalidade:.

 Mudanças em geral sao dificeis, ainda mais quando voce è pequeno. Quem nao lembra de mudar de casa, ou de escola, ou perder um bichinho, ou um ente querido? Sao coisas normais, sao parte da vida, e nao podemos evitar que nossos filhos passem por elas. Nem esconder o que acontece de verdade.

O que faço? eu tento dar a ela um pouco de normalidade. Um porto seguro onde ela possa ir se tudo for demais.
Quando nos mudamos eu nao me preocupei com as roupas que ela levaria, mas escolhi criteriosamente os brinquedos que ela mais gostava e carreguei na mala. Os secondarios foram enviados por correio, mas a Camila veio com ela no aviao. Os livros mais queridos e a fazendinha de tecido. Ao chegar, antes de desfazer as malas, achei um lugar que fosse acessivel a ela (prestes a fazer um ano), arrumei os livros e brinquedos e disse que eram as coisas dela, que ela podia pegar quando quisesse. Pronto. Criança um pouco mais calma, ainda assustada e incerta, mas tinha o seu refugio.

E voltamos ao mesmo processo, eis o novo refugio:


 

Saturday, July 11, 2015

.:criando filhas:.

"Nós criamos os filhos para o mundo. "

Todas as mães têm suas máximas de sabedoria popular, essa é uma das minhas preferidas. Minha mãe a usava frequentemente, mas comecei a entender melhor a verdade nas palavras depois que minha filha nasceu.


Qual é o jeito certo de criar um filho? Educar sem
ser tirano, encorajar e desafiar sem ser imprudente, acompanhar sem ser invasivo. A linha onde se caminha é tão delicada e as sutilezas tão ínfimas que se questionar como pai e educar é uma tarefa quase impossível.

Cada pai ou mãe presente sabe os limites dos próprios filhos, e como guiar o superamento de tais limites para que o filho cresça. Isso é possibilitar o despertar da autonomia, é infundir auto - confiança. Permitir que ocorram erros e que se aprenda com eles torna o filho mais independente, observador, e livre.

A frustração de uma falha é essencial, e a perseverança que se segue mostra que a vida não é um presente, é uma conquista. Cada passo, cada experiência, acrescenta uma bagagem insubstituível na vida de qualquer um, exponencialmente maior na vida de uma criança. Eles estão começando a encher as malas, nosso dever como pais não é preencher a bagagem para eles, mas abrir possibilidades. Apresentar opções que sejam úteis e valiosas, e acima de tudo, que surjam de forma leve.

Esse é o ponto onde discordo de muitos pais : as crianças devem saber as coisas. Não acredito que "proteger" os filhos de situações difíceis seja benéfico para eles. Os medos, os preconceitos não são deles, eles estão prontos para abraçar a vida na sua totalidade, essas limitações são minhas e tuas. Se a criança aceita erro e responsabilidade como algo natural, ela não vai escapar e morrer de medo se sujar as roupas brincando ou comendo, ela vai dizer "não tem problema, acontece. Te ajudo a limpar ".

Os meios para trazer o mundo a uma realidade mais tangível são muitos. O meu preferido são histórias. Um olhar atento permite usar a realidade das crianças para que eles entendam a nossa realidade, porque no final, ambas são as mesmas. Saber olhar o mundo de modos diferentes, saber se acalmar e pensar na melhor solução.

São tantas as coisas que pensamos importar para que os filhos cresçam bem que às vezes nos julgamos não ser à altura. achamos que negligenciamos algum ponto imprescindível, o que é de certa forma tolo.

Por isso hoje passo aqui para deixar a mim mesma  a minha máxima, que a esse ponto já deve estar gravada a ferro e fogo na cabeça da minha filha:
"não tem problema se você errou, quer dizer que você está aprendendo. O importante é fazer sempre o melhor que você pode. E praticar, porque você é capaz, só precisa do teu próprio tempo."


Thursday, July 09, 2015

.:arquitetura e urbanismo:.

Sabe aqueles prédios antigos? Desses que sempre estiveram lá, que te fazem sorrir quando passa por eles por representar algo de bom, de imutável, por ser acolhedor no meio do caos crescente e insano da cidade que explode em barulho e confusão. Esse prédio é alento, a calma no olho do furacão.

Embora o prédio esteja lá, o que se sabe do prédio? Muito pouco, ou nada. Só a sua presença na paisagem é o suficiente para que estejamos satisfeitos com a sua existência. Para que se importar em restaurar o prédio de vez em quando? Ele está lá, imponente e resistente como sempre esteve. Inabalável na sua poesia leve.

Mas e se não for essa a realidade do prédio? Como saber se nunca nos preocupamos em entrar, visitar, conhecer o interior desse ícone que nos faz bem? Talvez, durante os anos, as pinturas que adornavam as paredes tenham adquirido cores desbotadas e tristes, os quadros tenham caído, a mobília tenha sido saqueada ou estragada por traças e cupins. De repente, os salões internos que antes abrigavam vida e cores tenham se enchido de pó e desolação, mantendo somento um espaço vazio e sem calor.

Quem sabe as fundamentas dessa construção tenham começado a ruir, afundando paredes divisórias e pavimentos, soterrando na escuridão cômodos agora vazios, que uma época ecoavam risos e carregavam histórias.

Ah, que ilusão indolente e orgulhosa pensar que algo se sustenta sem ciidados, sem atenção. O prédio que antes parecia inabalável existe apenas na fachada. Até que, o que era belo, começa a ruir. Como descobrir esse processo lento e silencioso observando de fora? O que pode indicar tal transformação cruel e incontrolável, que se insinua de forma tão sorrateira que nenhum passante desatento pode perceber?

E assim, sem aviso, sem porquê, um dia a fachada não existe mais, o que começou do interno se difundiu e transformou o edifício em escombros e pó. E o que era belo e forte agora não é mais.

Tuesday, July 07, 2015

.:strada facendo:.

wow, acho que é o primeiro titulo em italiano, mas nao estou com vontade de checar agora. E caso alguém tenha notaso, sim, é uma referencia à Pausini, já que agora finalmente entendo porque "Marco se n'è andato via" e muito mais.

Aos fatos, primeira vez que dirjo sozinha o carro novo e tenho algumas considerações a serem feitas. Carro que não precisa de chave para abrir e fechar portas ou dar partida é uma idéia genial, nem perdi vinte minutos procurando/achando/guardando/chaves/abrindo/fechando/portas/com/telecomando. Ponto a favor pro carro. Retrovisor ajustavel para ver a marcação do estacionamento é outro ponto a favor. E paramos por aí.

Sensor de estacionamento com a ré engatada é legal, quando ele não te dá um falso senso de segurança, já que barras não são lidas pelo sensor. E, só pra informar, eu imaginei isso antes e não quebrei nenhuma parte do carro, muito obrigada. Esse carro dá a impressao de ser maior que o anterior, e muito maior que o meu era, o que não ajuda quando você está numa das ruazinhas de mão dupla feitas para trafego de carroças há quase um milênio atrás indo de encontro a um trator. (Paro? Vou? Vou só reduzir. Tem uma plantação aqui do lado tá beleza, o dono nem vai perceber se amassar algumas espigas de milho. Pera! Ai, o fosso!)

A minha implicancia com os ciclistas continua. No verão eles são piores que a praga dos gafanhotos, aparecem em bandos,  circulam lado a lado ocupando toda a rua, andam sem as mãos no guidão (hellooo, eles não viram cidade dos anjos? Anyway), sem farois na frente ou atrás e não sinalizam o que pretendem fazer da vida deles. Isso é agravado pelo fato desse carro ter a potência medida em lesmas ao invés de cavalos. Enquanto o audi arrancava com a terceira engatada facil facil, esse precisa de segunda e muita fé. Se tem uma ladeira pela frente voltamos pa primeira e pisando fundo porque senão o bichinho morre. Logo, se tem o caro ciclista na frente demora ter uma boa possibilidade de ultrapassagem (lembram? Ruas estreitas, curvas, tratores. Deu pra ter uma idéia). Mesmo assim, tenho o prazer de anunciar que todos escaparam incólumes. Surpreendente, não? Eu achei também.

Das considerações gerais:
1. Dirigir de tenis, sandalia, bailarina, descalça, não faz a menor diferença. Já saltos ou sapatos de sola dura são um não-não bem grande.
2. Calças, ok. Bermudas, ok. Saias amplas, ok. Saia lápis (principalmente se combinadas com meia 7/8) são um não-não. A menos que você esteja querendo subornar um policial ou tenha vidros filmados.
3. Dirigir com o por do sol sucks. Big time!
4 mas dirigir de noite, depois do trabalho em ruas do interior com pouca iluminação e rádios que só tocam musica de elevador, é bem pior.
5. Cantar entusiasticamente pode causar um desvio na rota original, mais conhecido como um atalho um pouco mais longo.

No fim do dia, se preciso, dirigir nem é tão ruim assim.

Monday, July 06, 2015

.:the one about preservation:.

Devido à nova paixão da pequena por rosa (ewwww) e o estado calamitoso das paredes do quartinho, ele está ganhando pintura nova. Ele pintou teto e paredes.  Minha idéia era: quadro embaixo da cama para ela colorir e um castelo com fadas onde ficava a árvore.

Compra errada na quantidade da tinta do teto e cabe a mim contornar a dita árvore. Acontece que começo a apreciar a solução prática dos pintores responsáveis pela sala paroquial coberta de afrescos : "dá uma mão de branco por cima de tudo e está resolvido ".

Acontece que pintar liberamente foi muuuuuuiiiiiiito mais fácil que tentar preservar esse artigo. E tenho dito. Cada pincelada errada te faz querer se dar um tiro no pé porque as cores originalmente usadas secaram, sem código, ou sobras.  Legal.

Se conseguir, atualizo com uma timecapsule depois.

Wednesday, July 01, 2015

.:whozits, whatzits and thingamabobs:.

Muitas coisas na cabeça e pouca vontade de escrever, então vamos ao desnecessário, que é mais fácil de afrontar.

Realidade sobre a cultura Italiana : você enlouquece se voce gosta de trilhas sonoras e decide assistir TV por um dia. Um fato que normalmente foge da minha mente é que aqui eles tem uma seleção randomica de músicas a serem usadas em reclames de filmes ou séries.  Exemplos disso? "Wake me up before you go go " foi a música usada por dois anos na chamada de Friends. Mesmo sem escolher a música tema eles poderiam selecionar uma das várias usadas nos dez anos de série, "with or without you" , "space oddity" , "I go blind",  "The lion sleeps tonight" , "angel of the morning ", qualquer música da phoebe  (little black curly hair sendo o segundo lugar , ou até "Frank goes to Hollywood " como referência da camiseta. No entanto, crap promo guys selecionaram uma música que eu não consigo relacionar de algum modo com a série. "Kissing you" para a casa no lago, "highway to hell" pra Thor, e a lista continua.

e, embora esse hábito de deixar estagiários entorpecidos decidirem como fazer publicidade da programação me irrite profundamente, em alguns momentos eles têm uma certa beleza poética. É o caso de "Erase /rewind" sendo usado por anos para cold case, ou, como presenciado recentemente esse um canal infantil, "ymca" tocando na chamada pros smurfs. Às vezes suas Pet peeves podem te divertir.

Enquanto isso, vamos adiante um dia de cada vez.

Saturday, June 20, 2015

.:flea:.

Ano passado, pouco antes do início das aulas adotamos Flea. Uma gata"pestifera", que passava o dia mordendo o nosso pé, e vendo quantas vezes conseguia nos fazer tropeçar enquanto caminhávamos pela casa.

Uma gata pequena. Hoje ela caiu do teto enquanto tentava caçar passarinhos. Caiu na casa dos vizinhos.  Donos de dois cachorros. Um pitbull. E Hoje ela não volta.  E o dia ficou um pouco cinza e frio.


Monday, June 15, 2015

.:toda forma de amor:.

Já falei que adoro as perguntas da minha filha? Se ainda não, deixo registrado agora : ela me faz olhar melhor o mundo para poder colocar em perspectiva de modo a satisfazer a curiosidade dela.

Sábado de manhã estávamos assistindo Frozen  (de novo ) quando ela me perguntou :
"Mamãe, Anna e Elsa se amam? "
A resposta era óbvia, mas conhecendo o meu gado eu já comecei a me preparar porque com certeza ela não iria parar por aí.

Eu: é claro que se amam.
Ela: então por que não se casam?

Pois é. mais ou menos nessa hora eu estava gritando na minha cabeça : EU SABIA!  E começo a colocar os neurônios pra funcionar, porque não tem uma resposta fácil.  "Porque são irmãs " não se sustenta em algumas culturas ou épocas em que casamentos na mesma família não só eram comuns como encorajados. "Porque são duas meninas " não precisa nem de meditação pra saber que não existe como justificativa. Não querendo criar uma filha tirana e intolerante eu precisava ganhar tempo.

Eu: e por que elas precisam se casar?
Ela: porque todo mundo casa com quem ama no final da história.

Grito interno : NÃO PULGA!  Que visão deturpada, agradeço a obsessão com princesas, embora homem aranha e tartarugas ninja sejam encorajados aqui ela tem uma mente própria. Só resta tentar minimizar o dano.

Eu.: se você ama alguém não precisa casar. Existem muitas formas diferentes de amor. E todas são preciosas do seu próprio jeito. Mas formas de amor diferentes se demonstram de modo diferente. Você ama a Flea?
Ela: sim.
Eu: e como você mostra pra Flea que a ama?
Ela: eu jogo a bola pra ela e pego no colo e faço carinho.
Eu: e a Margherita, você a ama?
Ela: sim.
Eu: e como você demonstra?
Ela: eu empresto meus brinquedos e peço desculpas quando bato nela porque chegou no balanço antes de mim. (*ah, o amor de amigos )
Eu: você me ama.
Ela: sim. O maior amor do mundo!

*depois disso eu não quis mais dar exemplos porque estava me derretendo, muito obrigada. ^^

Sunday, June 07, 2015

.:beach interlude :.

alguém acabada? imagina...
Finalmente, média de 30 graus, chegando a 35 sem o menor esforço.  O povo derretendo e eu mais que feliz.

Lago e praia no fim de semana com uma filha que aprendeu a se balançar sozinha, mas morre de medo de água profunda  (ou seja,  mais funda que 20 cm)

Diálogos voltando do mar:

Interlude 1
Ele: nós viemos daquela parte, não foi?
Eu: a menos que você queira minha indicação para ir na direção contrária não acho que valha a pena.

Interlude 2
Eu (com a parte de cima do biquíni molhada e ar condicionado ): você se importa se eu ficar sem sutiã?
Ele : claro que não.
Eu (em uma pista de mão dupla, passo o cinto de segurança pra trás das costas, tiro a camiseta, abaixo as duas alças do biquíni )
Ele: Oi!  Para aí, o pessoal do ônibus vai ter show de graça. Fora que aquele ali superando o carro vai acabar batendo na gente.
Eu (pegando uma camiseta seca e vestindo enquanto tiro o biquíni ): você realmente acha que shows são assim públicos?

Interlude 3
Eu (apoiando os pés no painel do carro ): vou alongar as pernas até chegar na auto estrada.
Ele: por que só até a auto estrada?
Eu: por causa de acidentes. É perigoso.
Ele : ah, sim. Pode quebrar as pernas.
Eu: na verdade esse seria o menor problema. O carro tem air Bag. Com o impacto pode deslocar a bacia ou causar danos na coluna vertebral.
*colocando as pernas pra baixo e sentando direito meio segundo depois.
Seu Estraga festa!
Ele: mas eu não falei nada.
Eu: mas me fez visualizar.

Thursday, May 28, 2015

.:vikings and imagery:.

Cada momento, humor, período da vida tem um estilo musical mais adapto. Bom, o momento é o mais sem pé nem cabeça possível, o que seria mais condizente com o momento que folk metal rock?

Exato. E eis que surge essa música :
vikings and imagery

esse não é o nome da música, nem da banda, mas os dois não ficam atrás dos inomináveis do lovecraft.

A parte assustadora?  Com minha mente fértil não consigo deixar de imaginar um bar podrão com um leprechaun bêbado tocando gaita de fole em um canto enquanto observa no palco vikings com tutu dançando kan kan.

Eu sei. A minha mente não é um lugar que você queira visitar.

Saudações.

Wednesday, May 13, 2015

.:sobre criaçao e educaçao:.

Ola, pessoas! 

AVISO: post longo e cheio de imagens. um desabafo sobre o papel dos pais.

Hoje foi a reuniao individual de pais e professores na escola da pequena, entao peço permissao para falar um pouco de criaçao, ou do que experimentamos da mesma aqui em casa em casa.


Ja ouvi falar varias vezes que "criar filhos nao é facil", e concordo, mas nao é a coisa mais dificil do mundo e ainda nao vi nada que te de uma satisfaçao ou um retorno maior do que participar, mesmo que minimamente, na formaçao de uma nova pessoa. Esse foi o meu real motivo para ser professora: educar, incentivar pessoas a ser o melhor que elas podem ser. Embora nada nobre como motivo, eu nao tenho como negar que o que mais me atraia era a possibilidade de influenciar pessoas, faze-las pensar. E com a minha filha nao é diferente. 


Isso foi so para que entendam melhor o meu conceito de "criar", que nao é so educar (isso é certo e isso é errado) porque educar é muito limitado. Criar é dar poder, dar liberdade com consciencia. Se voce ja teve a possibilidade de conviver com crianças pequenas sabe a capacidade infinita que eles tem de absorver coisas, nao importa o que seja. E, mais importante ainda, eles confiam nos pais em absoluto. Se os pais dizem que ele nao consegue fazer, ele nao vai nem tentar. Se os pais dizem que é errado, ele vai aceitar mesmo sem entender. 



Mas crianças pequenas também crescem. E elas precisam de todas as ferramentas que podem ter disponiveis. Cada um passa por uma experiencia diferente com os seus filhos, eu sei como esta sendo a nossa. Esse ano foi o primeiro ano letivo oficial da pequena. E ela era realmente pequena. Aqui as crianças nascidas entre Janeiro e Março sao chamadas "crianças primavera" e podem entrar na escola um ano antes. Como nossa filha ja tinha ido a creche o ano que passamos fora e buscava a convivencia com crianças da idade dela, decidimos que o melhor caminho era antecipar o ingresso na escola. 

Voltando da escola
E embora tenha sido o melhor para nos, nos deparamos com a chegada do "nao consigo". Eu tive a chance de participar ativamente dos primeiros anos da vida da pequena. E, embora dissessem que eu era uma mae cruel, ela sempre foi desafiada a fazer o melhor que podia, eu tentava dar a ela a segurança de tentar e errar, sabendo que para conseguir fazer as coisas realmente importantes é preciso esforço, pratica e dedicaçao. Sei que algumas pessoas torciam o nariz pro truque dos brinquedos (deixar que ela se arrastasse para conseguir chegar até o brinquedo que queria), mas se ela podia fazer algo eu fazer o mesmo no lugar dela so iria atrapalhar. Eu ia ensinar que tudo que ela queria viria até ela, e a vida nao funciona desse jeito. Pode parecer exagerado, mas é a maneira como eu penso, e foi a logica que sempre usei. Quando estavamos so nos duas ela era desafiada, falhava, recebia uma dose extra de confiança da minha parte, e tentava de novo. Ate conseguir.


Com o inicio antecipado da escola entrou em jogo a comparaçao. Um ano de diferença para crianças pequenas é um abismo enorme. E, embora ela fosse esperta e ativa, ela passou a se sentir insuficiente. O que nos levou a trabalhar com as habilidades diferentes e rever o conceito de aprender. "Voce esta aprendendo, precisa praticar mais" ao inves de "Voce nao consegue fazer isso" faz milagres no modo como uma criança ve as coisas, porque ela acredita no que voce diz. Se ela nao recebe a possibilidade de errar ate acertar, ela nunca vai acreditar que consegue fazer algo novo, e vai parar de experimentar. O grande problema é: o mundo da criança é experimentar. Eles precisam se sentir livres para explorar, entender, tocar, sentir, reconhecer tudo que tem ao redor, porque é tudo novo. Eles tem infinitas possibilidades, mas precisam de segurança para se lançarem a descobertas. 


Do mesmo modo que o desencorajamento pode passar despercebido, os elogios vazios também escapam e deixam sua marca. No Brasil temos o "muito bem", aqui temos o "brava". No final o que isso quer dizer? Nada. Nao demonstram o valor que tiveram todos os passos ate que a criança fosse capaz de realizar determinada açao. Lembro de muitas vezes limpando pure de cenoura da parede, catando ervilhas do cabelo, e lavando mais roupas do que posso contar. 


E nao importava que minha filha se sujasse (ou nos sujasse, o que nao era raro) mas ela aprendeu por observaçao que se usam talheres para comer, que à mesa tem um comportamento esperado, e por mais que o spam de atençao dela nao seja muito longo (é o esperado para uma criança de tres anos) ela é razoavelmente educada durante as refeiçoes. Ela sabe que se derrubar agua ou comida ninguem vai gritar com ela, mas ela vai pedir desculpas e consertar a bagunça sozinha. Ela se sente livre de tentar, porque ninguem vai puni-la por estar aprendendo. Errar é essencial no processo. Nenhuma criança vai ser perfeita na primeira tentativa.


Criança precisa se sujar. Precisa aprender que cair faz parte, e nao é o fim do mundo. Mas também precisa aprender que temos as nossas limitaçoes. Um dos momentos de maior frustraçao pra minha filha foi quando ela descobriu que nao podia pular como a nossa gata. Ela se achou inferior, até entender melhor as limitaçoes. Nossa gata nao pode voar, mas nosso passaro pode. Ela nao pode saltar alto como a gata, mas pode falar e construir coisas com as maos. A partir desse dia ela passou a ler historias para a gata na esperança que um dia ela aprenda a falar (rs) enquanto deixou de comparar os proprios saltos com os da gata, mas tentando se superar a cada novo salto. Ela entendeu a seu modo, e vai reformular a ideia quando precisar depois. 


Crianças sao curiosas, brincam de travestimento para levar o mundo numa dimensao mais palpavel, numa escala que eles conseguem compreender. Como pais é complicado fazer essa conversao ao inves de fugir de perguntas curiosas. Por exemplo: "ele esta preso porque é malvado?" sim, se voce assiste ao telejornal com teu filho perto perguntas vao surgir e evita-las so vai criar insegurança. O que eu tento fazer é levar para a dimensao dela de modo que ela possa entender um pouco e rever o conceito do jeito dela quando crescer mais. minha resposta? 

"O que acontece quando voce faz algo errado?"
"Vou pra cadeirinha do pensamento."
"Por que?"
"Para me acalmar e pensar no que eu fiz."
"O mesmo acontece com ele. Ele errou. precisa pensar no que fez, se acalmar, aprender com o erro e consertar da melhor maneira que pode quando sair da prisao."


Nem todos concordam com essa visao, mas eu acredito que erros acontecem. que se pode aprender com os erros. E nao quero que milha filha cresça com a ideia de que as coisas sao tao simples quanto certo e errado, bom ou mau. Ela foi apresentada ao conceito de pessoas diferentes, que vem repetido em toda oportunidade que tenho. Sao conceitos meus. Mas sao coisas que quero que ela leve em consideraçao, mantendo a mente aberta. Criar filhos nao é facil. Principalmente porque voce é o mediador, voce decide sob qual otica o teu filho vai encarar o mundo. E moldar a base de um ser é um trabalho longo, incerto, e cheio de responsabilidade.  


 Eu tento educar minha filha com valores que sao importantes para mim. Acredito que ela mereça uma explicaçao para cada "por que" que ela diz, pois crianças entendem, do modo deles mas entendem. é assim que ela vai formar a sua base para conhecer o mundo. Saimos de casa meia hora antes do que precisamos sair, para ela ter o tempo de explorar, de ver, de perceber o mundo ao redor. Ela ve as arvores mudando de folhas, e ao perguntar o porque ela acolhe a ideia de que as coisas mudam, se renovam sempre para ficar mais fortes. Ela ve um passaro morto e ouve que a vida é preciosa e passa mais rapido do que se imagina, e que a morte faz parte para dar lugar a novas pessoas e novas experiencias.


 O que ela vai levar disso tudo eu nao tenho ideia. Mas a vejo crescer feliz, curiosa, audaciosa, gentil e doce. Ao inves de brigar com os amigos por causa de jogos ela propoem turnos para brincar com determinados brinquedos. Ela nao tem medo de demonstrar afeto, e se responsabiliza por seus erros sem fazer drama. Ela experimenta coisas novas, mesmo se tem medo. O que me leva a pensar que demos sorte em ter uma filha assim, mas que o tempo que aproveitamos junto a ela nao foi desperdiçado, devemos ter feito algo de certo.



De repente o que faz a diferença nao é brigar com o filho por errar, mas criar oportunidades para que ele aprenda com os erros, e estar realmente presente quando estiver em sua companhia. Os pais podem dizer o quanto quiserem o que o filho deve fazer ou nao, mas ele provavelmente vai agir como voce age. Entre erros e acertos aprendemos juntos, e crescemos juntos. 


é essa a magia de criar um filho, voce recebe a chance de se redescobrir e melhorar.



Thursday, March 12, 2015

.:moody:.

because it never gets old...
this is so today...

Monday, March 09, 2015

.:among castles and pirates:.

Hey, guys! spring has kicked in last week, open windows, coatless outside walks, first flowers blossoming, bees flying around, and lots-a-lot-way-too-much grass... but, that is the spirit of the season, right? everybody happy with the longer days, and some of us simultaneously hating the allergy genes (if they are genetics, still not so sure, hoping they aren't)...


Saturday, morning filled with indoor games and painting, and role playing while I tried to control the laundry chaos (nopz, no fortune there)... afternoon with a 3 km walk around the lake, and the greatest accomplishment? she walked or rode her bike ALL the way... =) ah, to be 3 years old... 

"look! I'm Captain Hook! I have one eye and a hook!"

Then, yesterday it was the opening of sigurtà... =) yay! no tulips yet, but loads of grass (can you sense a theme? uhum, my allergy too)... again, more walkig/riding for the little monkey... she loved the castle, and though she kept on asking rapunzel to let down her hair the only thing that came our way was a dry leaf...

the face of a toddler who's just been told she makes a pretty scary pirate

By the end of the route she was a teeny bit tired (like: my knees hurt! can't walk! pick me up, I'm a good girl, pleaaaaseeee!) so, like good parents, we let her rest a little on the grass... see? thoughtful, caring parents... ^^

she took the opportunity to impersonate captain hook... she is growing and I just can't believe it... bittersweet...

Monday, February 23, 2015

.:cat bites:.

the photo has nothing to do with the post, but I know most of you come here for the photos alone, right?

this is about pets, those ungrateful beings... you love them, care for them, don't let them freeze their butts out during winter... then you decide to feed your cat vermicide because, you know, it is kind of necessary...

problem is: your cat decides she is not really into it, and reacts showing you just how much she doesn't appreciate your gesture... and there comes the bite!

stage 1: yeah, I know... I can totally sympathize... taking any kind of medicine sucks, particularly when it is thick and green...

stage 2: *when your finger still hurts and starts bleeding* wow! ok, now I'm protected against verms and parasites as well, right? yeah, right. that is a good thing...

stage 3: *when your finger starts swelling* hmmm... how many bacterias are there in a cat's mouth? There can't be that many, isn't it so?

satge 4: *when your finger is so swollen that you can't bend its tip* damn cat! hope you are not infectious... can I get rabies from a cat? really, feline, hope I don't die from an infection... you know, nobody is gonna come here to feed you!!!


and that's how the mind of an overreacting girl works...
good monday!
bye bye, winter! we are so ready for spring!

Monday, February 02, 2015

.:a very merry unbirthday:.

to you!

as the mad hatter would say: one birthday is not enough...
we have already started all the birthday goodness this year...

the kick in our interview...
don't worry, she didn't sing. apparently she should do the interviewing at that point, pity the camera stopped working... ;)

ps.: yes, it is carnival time and she doesn't seem very keen on taking off her princess costume kindly donated by some friends who said a princess needs a tutu dress for carnival...

video


Tuesday, January 13, 2015

.:snowy:.

2014 has come and gone... time to start all over again... some shots from december for you guys...
ps.: the small one has FINALLY stopped leaving cookies for santa... about time...



.:appalled:.

*post em portugues*

eu nunca fui de ler jornais de papel (dificeis de manusear e sujam as maos - fresca, uhum, tenho meus momentos) além de pouco praticos dificilmente te davam mais de uma versao dos fatos... prefiro recorrer aos jornais on line, fz um apanhado geral e eliminar as opinioes variaveis o maximo possivel pra ter uma ideia do que realmente esta acontecendo... bem, assim tem sido nos ultimos 10/12 anos (mais ou menos, afinal o tempo é relativo)... 

Desnecessario dizer q nao acompanhei a evoluçao do registro impresso do jornalismo aliado aos seus contrapontos digitais... Ontem por questao de necessidade (entre romances de jornaleiro e jornais obsoletos fica facil escolher o q ler) acabei com um dos jornais mais renomados daqui em maos na minha ida ao trabalho... 

O assunto pop desses dias todos sabem qual é... entretanto, o q me surpreendeu foi nao encontrar nenhuma materia com fatos, entrevistas ou depoimentos... todas consistiam de colunistas exprimindo sua opiniao sobre o assunto... como mergulhar num social network sem a possibilidade de discutir e questionar as opinioes expressas... até onde lembro a midia sempre funcionou com manipulaçao do ponto de vista, acredito ser quase impossivel reportar algo sem ser influenciado pelas proprias crenças e experiencias pessoais... 

Infelizmente, a mudança de registro acabou sendo extrema... sem a necessidade de reportar os fatos, a imprensa se viu livre para vender ideias... e de todas as ideias expostas na ediçao essa foi escolhida para a materia de capa: 

"(...)tanti europei mostrano di condividere una falsità, ossia che chi uccide in nome di Dio non sia un <>. Dimenticando che gli uomini si sono sempre amazzati fra loro in omaggio a un Dio o a un pugno di Dei. è vero che gli europei non sono più disposti a farlo. Ma ciò dipende anche dal fatto che sono tanti gli europei che non credono più in Dio(...) Chi non crede in Dio fatica a capire gli assassini in nome di Dio."

a facilidade de associaçao de fé como justificativa de atos de extrema violencia me atinge em diversos niveis... estamos falando de um pais onde a religiao vem seminada nos nucleos sociais como forma de inclusao ou marginalizaçao; onde crianças de tres anos aprendem cantigas com preces catolicas na escola e se acostumam a menosprezar imigrantes que manisfetam sua fé de modo diferente; um estado no qual a comunidade religiosa se sobrepoem ao percurso escolar e de inserimento no mundo profissional. 

Mesmo concordando que atos de violencia extrema dependam somente da motivaçao justa (evitando ser hipocrita, eu sei exatamente o tipo de situaçao que me levaria a cruzar o limite do moralmente aceito sem precisar ponderar ou me arrepender depois) me assusta a ideia de uma sociedade que ainda usa a unidade religiosa como forma de controle expor tao abertamente a aceitao de usar a mesma para defender uma fé, seja ela qual for.

fica a minha perplexidade e a minha incerteza. 

Friday, January 02, 2015

.:is 2013 over yet?:.

you know it is time to try and get a grip when one of your pinterest boards reads: "2013 resolutions"...

hmmm... yeah... that kind of sums it up...